Curso – Intensivo de técnicas de tradução para legendagem

Padrão

FINALMENTE CONSEGUI!! 😀

Precisava começar essa postagem assim para expressar meu entusiasmo ao conseguir me inscrever para o curso de legendagem da Gemini. Eu havia tentado outras vezes, mas ele é bastante concorrido e, quando eu ficava sabendo, as vagas já haviam esgotado. Dessa vez fiquei mais atenta e finalmente consegui me inscrever! 🙂

Desde que comecei o blog, expresso um interesse pela área de legendagem e, ao longo da minha trajetória na tradução, esse interesse só aumentou. Comecei a procurar cursos e trabalhos voluntários (venho legendando alguns vídeos de TED Talks pela plataforma Amara) para me qualificar na área. Infelizmente não consegui me inscrever na pós-graduação em tradução audiovisual da Estácio, pois ainda não estou com o diploma da graduação 😦 mas acredito que o curso da Gemini será um bom ponto de partida.

Além do que, quando estava pesquisando sobre ele, encontrei essa ótima postagem da Laila Compan no blog Tradutor Iniciante recomendando o curso e aí tive mais confiança em investir.

Como o próprio nome indica, o curso se concentra nos padrões técnicos da legendagem profissional e, além de uma introdução teórica, oferece “exercícios práticos de segmentação (spotting), marcação (timing) e tradução de trechos de programas de temáticas variadas”, realizados no Subtitle Workshop, uma das ferramentas mais utilizadas na área.

Quem se interessou, corra para fazer a inscrição clicando aqui, pois as vagas, como já disse, acabam MUITO rápido! 😉

O curso será ministrado nos dias 18 e 19 de maio (ou 28/07 e 04/08) e o investimento é de 3 x R$ 333,00 ou R$ 899,00 à vista.

 

Anúncios

Curso de interpretação online

Padrão
evento interpret2B

Imagem do evento no Facebook: https://goo.gl/ZQ1Ckv

Se você tem interesse em fazer um curso de interpretação online, não perca a chance de assistir à trasmissão ao vivo pelo Facebook da Interpret2B HOJE, às 20h. A Marcelle Castro explicará como funciona o curso e como fazer para ingressar na próxima turma.

Para quem não conhece a Interpret2B oferece formação na área de interpretação por meio de uma plataforma EAD e os cursos são moduláveis, abordando técnicas e práticas de interpretação de acordo com as necessidades dos alunos e do mercado de trabalho.

Você pode optar pelo curso regular ou personalizar com as matérias que preferir cursar.

Para obter mais informações, acesse o site clicando aqui ou envie um e-mail para: contato@interpret2b.com

Eventos – Tradução de texto dramático

Padrão

oficina tradução dramática

Para quem se interessa por tradução e teatro aí está uma ótima oportunidade de qualificação na área. A Cláudia Soares Cruz, tradutora experiente e estudiosa da área vai ministrar uma oficina e participar de um bate-papo sobre um assunto esse mês no Rio de Janeiro.

Na Oficina de Tradução do Texto Dramático será possível discutir não só os conceitos básicos de tradução, como abordar as especificidades do gênero dramático, como sonoridade, ritmo, tom e registro. Os encontros serão todas as quintas-feiras de abril (05, 12, 19 e 26), das 19h às 21h30, no meu lugar favorito de todo o mundo: Copacabana! 😀 Imagina passear pelo calçadão e depois ir aprender um pouco mais sobre tradução? Imperdível! 😉

O valor é de R$ 460,00 e as inscrições podem ser feitas clicando aqui. Em caso de dúvidas, basta enviar um e-mail para: somos@apretexto.com.br.

Já o evento Tradução em Debate, com Cláudia Soares e Helena Varvaki será no dia 17 de abril, das 19h às 21h, também em Copacabana. Como indica a descrição do evento, “o papo será sobre o processo de encenação de um texto estrangeiro, o papel da tradução nesse processo e a parceria entre tradutor, ator e encenador, entre outras coisas”. Muito interessante! Esse é o primeiro encontro de uma roda de debates que acontecerá todo mês para discutir tradução promovida pela Pretexto – Tradução & Afins. A entrada é gratuita. Basta se inscrever clicando aqui. Dúvidas: somos@apretexto.com.br.

MINHA PRIMEIRA EXPERIÊNCIA EM UMA AGÊNCIA DE TRADUÇÃO

Padrão

Após um período longe do blog, voltei para contar sobre a primeira experiência que tive trabalhando em uma agência de tradução.

Conheci a Lionbridge (que, mais que uma agência de tradução, é uma empresa de globalização), quando ainda estava na faculdade e surgiu uma oportunidade de estágio, mas eu morava no Rio de Janeiro (saudades da Cidade Maravilhosa!!) e não tinha como assumir a vaga. Porém, quando me formei na faculdade de Tradução/Interpretação pela Uninove, já estava morando em São Paulo e procurei a Lionbridge novamente (este mês faz exatamente um ano). Para a minha sorte, eles estavam com um projeto muito interessante chamado “Incubadora“, que consistia em dar a oportunidade para um tradutor iniciante trabalhar na agência por seis meses e, então, caso tudo fosse conforme o planejado, poder trabalhar de casa (home office).

Esses sete meses que passei trabalhando na empresa foram fundamentais para meu início na carreira de tradutora. A experiência de todos os colegas com os quais convivi diariamente permitiu que eu pudesse aprender com profissionais de excelente qualidade um pouco mais sobre toda a dinâmica do processo de tradução e sobre tradução em si.

Digo isso, pois toda a equipe é muito comprometida com seu trabalho e todos estão sempre dispostos a ajudar. Deixo aqui meu agradecimento pela paciência e dedicação de todos. Posso dizer que essa experiência trabalhando dentro de uma grande agência de tradução foi fundamental para meu crescimento profissional.

Foi uma oportunidade incrível poder iniciar o trabalho na área numa agência tão renomada e importante no cenário mundial da tradução. Não poderia esperar algo melhor. Trabalhei com contas de empresas de muita expressão na área da Tecnologia e aprendi a utilizar as CAT Tools, o que gera um acúmulo incrível na área da tradução técnica.

Assim, pude tirar por mim mesma a conclusão que nós, iniciantes, sempre ficamos na dúvida: vale a pena trabalhar para uma agência de tradução? A resposta é “SIM“. Vale muito! Se for uma empresa compromissada com a qualidade dos serviços e que, portanto, apostará no seu desenvolvimento profissional, é uma experiência que entendo ser fundamental a todo iniciante da área, e que nos dá uma visão global de como funciona o mercado da tradução, quais profissionais estão envolvidos e qual a importância do nosso trabalho.

Obrigada a todos da Lionbrigde! Aos que ainda fazem parte da equipe e aos que já fizeram enquanto estive por lá:

Adailto, Ana Cláudia, Ana Paula, Ana Rodrigues, Bruna, Carolina, Christiane, Daniel, Denise, Fabiana, Faustro, Filipe, Gabriel, João, Jonathas, Jussara, Karen, Luiz, Magali, Marcelo, Mário, Miriam, Nilton, Paulo, Pedro, Priscila, Renan, Rodrigo, Sávio, Silvia, Tabitha, Tiago e Victor.

Muito sucesso a todos! 😉

PS.: Perdi as fotos que eu tinha, pois meu celular foi roubado, então precisei improvisar… rs

 

Intelecção de Textos em Língua Inglesa – Casa Guilherme de Almeida

Padrão

Outro curso que participei, oferecido pela Casa Guilherme de Almeida, foi o de Intelecção de Textos em Língua Inglesa, ministrado pela professora Rita Köster, que é mestre em Letras pela USP, especialista em literatura irlandesa e professora da Cultura Inglesa desde 1990.

Inicialmente, pensei que seria uma ótima chance de ampliar meu vocabulário em inglês, compreender a estruturação de textos em língua inglesa e, portanto, contribuir para minha formação como tradutora. Porém, o curso foi muito além das minhas expectativas, pois, a cada encontro, agregava não só os conhecimentos da língua, mas principalmente conhecimentos culturais, tão importantes para uma tradução bem feita, como sabemos.

Trabalhamos apenas com short stories, que eram analisadas minuciosamente, pois a professora sempre trazia uma pesquisa sobre a biografia do autor, o contexto histórico e as referências presentes nos textos. Isso tudo ajuda muito a compreender melhor o conto, a intenção do autor e fazer um paralelo com os dias atuais e nossa própria realidade.

Os contos com os quais trabalhamos foram:

  • Two Pints (Roddy Doyle);
  • 12-2-12 (Roddy Doyle);
  • Recuperation (Roddy Doyle);
  • A Pair of Silk Stockings (Kate Chopin);
  • The Way Up To Heaven (Roald Dahl);
  • A Day At The Seaside (Bill Bryson);
  • Clay (James Joyce);
  • Lappin and Lapinova (Virginia Woolf);
  • Men and Women (Claire Keegan);
  • Going Home (William Sayoran);
  • The Children Stay (Alice Muro);
  • The Masque of the Red Death (Edgar Allan Poe);
  • Just Good Friends (Jeffrey Archer). Ah, não deixem de ler. O final é surpreendente! 😉

Gostaria de agradecer não só a professora Rita, que conduziu nossos encontros muito bem, fez ótimas pesquisas para compartilhar conosco, como as colegas deste ciclo, que contribuíram bastante com as discussões.

Lembrando que este curso ocorre todo semestre e esta semana começa de novo. Os textos sempre mudam, então podemos participar quantas vezes quisermos. Esse semestre já começou um novo ciclo na última sexta-feira. Acredito que ainda é possível fazer inscrição. Recomendo! 🙂

ili03

Parte da turma na última aula

Programa Formativo para Tradutores Literários – Casa Guilherme de Almeida

Padrão

Desde que conheci o programa pela primeira vez, em 2014, achei incrível e queria muito participar. Mas, como era presencial e eu morava no Rio de Janeiro, não podia realizar essa vontade. Em 2015, quando vim para São Paulo, corri para ver no site quando poderia fazer a inscrição para o próximo curso. No começo de 2016 estava inscrita, mas é preciso passar por um processo seletivo e enviar seu currículo, a ficha de inscrição preenchida e uma carta de intenção. Até chegar a resposta, estava muito ansiosa e quando finalmente recebi o email confirmando que tinha sido selecionada para participar, foi uma alegria que só! 😀

Deu um friozinho na barriga, pois lembro que o email começava dizendo que eles tinham recebido um número de inscrições muito acima do número de vagas, algo muito bom, pois demonstra o grande interesse nos estudos da área. Pensei: ai, caramba… não passei… com esse tanto de inscrições, viram que eu era iniciante, sem muita experiência e fiquei para trás. Continuei lendo o email e logo abaixo vinha a confirmação de que eu estava selecionada!

Logo no primeiro dia fui fazer a inscrição e foi quando conheci o anexo da Casa Guilherme de Almeida. Um lugarzinho bem acolhedor e com pessoas que nos tratam muito bem, prontas para nos dar quaisquer informações e ajuda. Nesse dia, quem me atendeu foi a Denise, muito atenciosa. Inscrição feita, mais um pouquinho de ansiedade: a aula inaugural do programa só seria cerca de um mês depois.

Mas, vamos falar agora um pouquinho sobre o programa: a ideia de criá-lo surgiu a partir de cursos anteriores oferecidos pela Casa e resolveram então fazer um programa continuado para contribuir com a formação de tradutores literários, ideia que deu bastante certo. Desde seu surgimento, em 2013, algumas mudanças foram feitas, considerando a avaliação dos alunos participantes.

O programa é composto da seguinte forma:

  • Curso de Teoria da Tradução, ministrado pela professora Maria Teresa Quirino;
  • Curso de História da Tradução, ministrado pelo professor Érico Nogueira;
  • Oficina de Tradução de Poesia, ministrada pelo professor Dirceu Villa;
  • Oficina de Tradução de Prosa (Inglês), ministrada pela professora Alzira Allegro;
  • Oficina de Tradução de Prosa (Espanhol), ministrada pelo professor Sérgio Molina.

Dessas, estou fazendo as quatro primeiras, já que não tenho ainda domínio do espanhol. Os professores são bastante qualificados e a turma é bem diversificada, tendo desde iniciantes sem experiência, como eu, até pessoas bem experientes na área, o que possibilita uma troca bastante rica durante os cursos e oficinas.

Quem quiser ter uma ideia melhor de como funciona o programa, pode acessar este link, que explica mais detalhadamente sobre cada um dos cursos e oficinas, os requisitos, os professores e o cronograma.

Vale muito a pena fazer! Recomendo para todos os interessados em tradução literária, que já trabalhem ou não na área. Estou adorando e aprendendo muito. Tenho certeza que os conhecimentos adquiridos contribuirão bastante para a prática profissional que venho procurando me qualificar para exercer.

O programa vai até novembro e então farei uma postagem traçando um panorama geral do que aprendi ao longo desses meses.

Ficaram interessados em participar? Então fiquem ligados para as inscrições do próximo ano. 😉

Enquanto isso, não deixem de conferir a programação da Casa Guilherme de Almeida, que sempre traz algo interessante para os tradutores.

Casa Guilherme de Almeida – Centro de Estudos de Tradução Literária

Padrão

 

logo-cga

Você já conhece a Casa Guilherme de Almeida?

Ela oferece uma infinidade de cursos interessantes voltados principalmente para a tradução literária, mas também sobre outros temas, como cinema, teatro, enfim, é só dar uma olhadinha na sua programação para perceber que vale muito a pena conhecer a Casa.

Ainda morava no Rio de Janeiro quando ouvi falar da Casa Guilherme de Almeida pela primeira vez, então fiquei muito frustrada por não poder participar de nada, mas assim que vim para São Paulo, a primeira coisa que fiz foi entrar no site para começar a me inscrever nos cursos.

Agora toda semana estou por lá, sempre participando de algo relacionado à tradução, o que está contribuindo muito com a minha formação na área.

De terça a domingo, das 10h às 18h, você pode também visitar o museu, que conta com um acervo muito rico em obras de arte, relíquias, além da ampla biblioteca, hemeroteca e arquivo fotográfico. O museu era a casa do próprio Guilherme de Almeida, famoso poeta, tradutor, escritor, ensaísta, dentre outros talentos.

Nas próximas postagens vou contar um pouquinho sobre cursos que participei lá no anexo da Casa Guilherme de Almeida.

Se você morar em São Paulo, ou estiver passando por aqui, não deixe de conhecer este lugar tão especial para os tradutores brasileiros. É possível fazer uma visita virtual para matar a curiosidade até que você possa ir à Casa pessoalmente.

Contato:

55 11 3673-1883 | 3803-8525 |casaguilhermedealmeida@gmail.com
Museu: R. Macapá, 187 – Perdizes | CEP 01251-080 | São Paulo
Anexo: R. Cardoso de Almeida, 1943 | CEP 01251-001 | São Paulo